Bungee Jumping e os arredores de Queenstown

O nosso segundo dia em Queenstown

No nosso segundo dia em Queenstown, aproveitamos para fazer atividades ao ar livre que ficam a uma curta distância da cidade. Era hora de conferir o primeiro bungee jumping comercial do mundo, um barco de altíssima velocidade e relaxar em uma piscina de águas termais. Também provamos o que dizem ser o melhor hambúrguer da Nova Zelândia e comemos queijos harmonizados com cerveja em uma vinícola linda.

Para ler sobre o nosso primeiro dia em Queenstown, clique aqui

Shotover Jet: um dos passeios mais incríveis de Queenstown

Entenda o roteiro

No mapa abaixo, eu marquei Queenstown em roxo. Os passeios que fizemos no segundo dia de viagem estão marcados em amarelo, como o Shotover Jet e o bungee jumping na ponte Kawarau. Todas as atrações estão localizadas fora da cidade, então é necessário carro ou ônibus para o deslocamento até lá.

Para ver todos os posts sobre Queenstown, clique aqui

Estradas lindas da Nova Zelândia

Shotover Jet

O Shotover Jet é um barco turístico que atinge 90 quilômetros por hora em um passeio de 30 minutos pelo rio Shotover. O trajeto passa embaixo de pontes, ao lado de pedras enormes e garante gritos durante as manobras de 360º que molham todos os passageiros. Achei este um dos passeios mais incríveis que fizemos na Nova Zelândia, seja pela adrenalina quanto pelas paisagens deslumbrantes que vimos pelo caminho!

Antes de continuar lendo, assista a esse vídeo aqui embaixo! Nós compramos ele em um pacote com mais três fotos do passeio, que já estavam prontos para retirada quando desembarcamos. O legal é que o vídeo mostra quais as medidas e a performance do barco, além de imagens reais do nosso passeio! Aperte o play:

Como é o passeio? O que vestir?

Alguns minutos antes do horário agendado, você deve fazer o check in na sede da Shotover Jet. Nesse momento, eles vão direcionar o grupo para mais perto dos barcos para que todos vistam uma capa impermeável, colete salva-vidas e um corta-vento para o rosto e pescoço. Eu também vesti uma luva e foi o que salvou as minhas mãos de não ficarem congeladas! Quem tem os olhos sensíveis ao frio, aconselho usar um óculos, já que venta bastante no passeio.

Nós andamos no barco no primeiro horário da manhã, então o clima estava muito frio e foi essencial vestir roupas quentinhas. Como o barco faz diversas manobras radicais, todos se molham e eu saí de lá com os cabelos bem úmidos. Por isso, esteja preparado para todas essas condições durante e depois do passeio! Para não ter erro, esteja com roupas confortáveis e quentes. Também vale levar uma muda de roupa extra para que você possa trocar depois.

Durante o passeio, você só pode levar a sua câmera se ela estiver firme na cabeça. Nós filmamos tudo com a GoPro presa em uma faixa de cabeça, o que rendeu imagens incríveis do rio Shotover! Você também pode comprar o vídeo oficial do passeio, que acompanha três fotos. Nessa opção, eles fornecem uma senha que permite que você faça o download das imagens, tanto no celular como no computador. O resultado foi o vídeo que você assistiu aqui em cima!

Como chegar? Quanto custa?

O Shotover Jet fica a menos de 10 minutos de carro do centro de Queenstown. O caminho até lá passa por paisagens lindas, com fazendas repletas de ovelhas e montanhas nevadas ao fundo. Além disso, há estacionamento grátis para você deixar o carro durante o passeio. Quem não estiver dirigindo, pode pegar um shuttle gratuito que sai a cada 15 minutos do centro de Queenstown, na esquina das ruas Shotover e Camp.

Nós reservamos o passeio com antecedência no site oficial. Há o ticket com preço normal, com barcos que saem a cada 15 minutos, que custa NZD149 por adulto. Você também tem a opção de pagar um preço reduzido se for no primeiro ou no último horário do dia, custando NZD129 por adulto. Para ver preços especiais para crianças, consulte o site da Shotover Jet. O nosso horário era o primeiro do dia, às 8:30. Apesar do frio, achamos ótimo porque não tinha movimento quando chegamos lá.

Sair do passeio cedo nos garantiu bastante tempo para aproveitar as outras atrações programadas para o dia. A região do rio Shotover é linda, então reserve tempo para curtir o lugar, que é uma atração por si só. Nós ficamos assistindo aos outros barcos que saíram após o nosso e dava para ouvir os gritos da galera de longe! Antes de ir embora, também não perca a “calçada da fama”, com fotos de vários famosos que já marcaram presença por lá.

  • Endereço: Gorge Rd, Queenstown 9300, Nova Zelândia

Onsen Hot Pools

O Onsen Hot Pools é um spa muito charmoso que fica a menos de 5 minutos de carro do Shotover Jet. Ele está localizado no topo de um penhasco e possui uma vista incrível para o rio Shotover e para as montanhas. O spa oferece diversas opções de massagens e você também pode reservar uma hora em uma das suas piscinas com águas termais.

Em frente ao local, há estacionamento gratuito. Dali, é só descer uma pequena escadaria até o spa. Para esperar o seu horário, você pode sentar na recepção, que tem uma vista maravilhosa, música ambiente e carregadores para celular. A nossa reserva era para às 10:30 e foi o tempo ideal para conseguirmos nos deslocar com calma desde o Shotover Jet.

  • Endereço: 160 Arthurs Point Rd, Arthurs Point 9371, Nova Zelândia

A vista maravilhosa de Onsen Hot Pools
Como é a experiência?

Todas as piscinas oferecidas pelo spa são privativas e abastecidas com águas termais. O pacote que compramos se chama “The Tandeki”, que custa NZD120,00 para dois adultos e dá direito a uma hora na piscina. Nessa opção, cada pessoa pode escolher uma bebida (entre vinho, espumante, suco e cerveja) e uma comida (sorvete, batata-frita ou chocolate).

As piscinas podem ser reservadas para até quatro adultos. Além disso, elas possuem hidromassagem, teto retrátil e, caso a água esteja muito quente, você pode jogar jatos de água fria nela. Tudo isso em um controle que fica ao alcance das mãos enquanto você relaxa observando aquela paisagem maravilhosa. No prédio, também há vestiários climatizados com chuveiros e secador de cabelo.

Dentro da sala em que fica a piscina, também há um chuveiro para uma ducha antes de entrar na água. Não esqueça que as toalhas são cobradas à parte e custam cerca de NZD3,00. Por isso, você pode levar a sua própria toalha para economizar. Além disso, eles não disponibilizam chinelinhos e roupões, então também carregue os seus consigo. Nós esquecemos os chinelos e saímos pulando naquele piso frio depois da piscina (#ficaadica)!

Quem não quiser comprar a opção com comes e bebes, pode reservar somente uma hora na piscina, que custa NZD95,00 para dois adultos. Também é oferecida a opção de combinar a experiência com massagens relaxantes. Para consultar todos os preços e opções de pacotes, consulte o site oficial.

Fergburger: o melhor hambúrguer de Queenstown

O Fergburger é considerado o melhor hambúrguer de Queenstown. Alguns arriscam dizer que é o melhor da Nova Zelândia inteira. O lugar foi inaugurado em 2001 em uma garagem. Algum tempo depois, a lancheria foi transferida para o seu atual endereço, que fica na rua Shotover, pertinho da Skyline Gondola. Para dar uma olhadinha no menu e nos preços, consulte o site oficial.

Saímos do Onsen Hot Pools e fomos direto para lá, pois já era próximo do horário do almoço. Em menos de 10 minutos de carro, já estávamos novamente no centro de Queenstown. A fila da lancheria era enorme e a maioria das pessoas levava o hambúrguer embora, já que o lugar é pequeno e as mesas estavam super disputadas. A solução foi pedir nossos lanches para viagem e almoçamos às margens do Lago Wakatipu.

O clima por ali era muito mais tranquilo, já que encontramos um banquinho vazio de frente para o lago. Ao redor de nós, estavam diversos patinhos esperando algum farelo do nosso pão cair no chão. Nós havíamos provado o Devil Burger no dia anterior e eu confesso que achei melhor que o Fergburger! De qualquer forma, não dá para ir embora da cidade sem prová-lo, né?

  • Endereço: 42 Shotover St, Queenstown 9300, Nova Zelândia

Bungee Jumping na Kawarau Bridge

Nossa próxima parada foi na histórica ponte Kawarau, pertinho de Queenstown, onde foi criado o primeiro bungee jumping comercial do mundo. Em 1988, os saltadores AJ Hackett e Henry Van Asch resolveram dar início ao seu negócio e foi a partir daí que o bungee jumping começou a ficar conhecido no mundo todo. O Kawarau Bridge Bungy é o mais popular da Nova Zelândia e parada obrigatória para os amantes de esportes radicais!

A ponte está localizada a 43 metros acima do rio Kawarau, que tem aproximadamente 60 quilômetros de extensão. Lá de cima, inúmeras pessoas saltam todos os dias, individualmente ou até em dupla! Quem quiser ter uma experiência ainda mais surreal, também pode optar por mergulhar a cabeça no rio geladíssimo lá embaixo. Aqueles que, como eu, não têm coragem de pular, podem assistir tudo de uma plataforma que fica bem pertinho da ponte.

  • Endereço: Gibbston 9371, Nova Zelândia
Momentos de tensão antes de pular…
O que vestir? Como é o bungee jumping?

Não há exigência quanto à roupa que você deve vestir, sendo que o site oficial, inclusive, menciona que é permitido saltar sem roupas (?). Mas eu recomendo que você esteja bem confortável para conseguir relaxar o máximo possível durante e depois do salto! No dia em que fomos, estava ventando bastante e recomendaram que o Dani tirasse o casaco grosso e ficasse só com o moletom.

Depois da experiência, você também ganha uma camiseta de recordação para provar que teve coragem! Além disso, eles informam que podem saltar pessoas de 10 a 110 anos, sendo que os menores de 14 anos devem estar acompanhados por um adulto. Os pesos limites também são de 35 a 235 quilos. Quem optar por fazer um salto em dupla não pode ter uma diferença de peso maior que 30 quilos entre as duas pessoas.

Aperte o play aqui embaixo para ver como foi a nossa experiência:

Como chegar? Quanto custa?

Você pode chegar até a ponte Kawarau dirigindo e o trajeto dura cerca de 30 minutos desde o centro de Queenstown. Há um estacionamento grande e gratuito logo na entrada da atração. No momento da reserva, eles pedem que você chegue cerca de 15 minutos antes do horário marcado para fazer o check in. Quem não estiver dirigindo pode pegar um shuttle gratuito que sai a cada 1 hora e 20 minutos do centro da cidade, na esquina das ruas Camp e Shotover.

Nós fizemos a reserva do salto com antecedência no site oficial. O horário que agendamos foi às 15h15min. Atualmente, o salto custa NZD205 por adulto, incluindo um certificado e uma camiseta de recordação. Se você resolver pular de novo, é cobrado um valor mais baixo pelo segundo salto. Para comprar o pacote com fotos e vídeo do bungee jumping, custa um adicional de NZD80,00. É caro, mas vale a pena! As reservas são feitas para cada 15 minutos e, no nosso caso, chegamos antes do horário marcado e o Dani conseguiu pular ainda antes da hora.

Em época de alta temporada, os saltos são bem concorridos e, se você não fizer reserva, corre o risco de chegar lá e ter de esperar um tempão para pular. Para garantir o seu horário, faça a reserva e o pagamento com antecedência. Importante: eles somente reembolsam o valor pago se as condições climáticas impedirem o salto ou se a pessoa for considerada incapaz de saltar por condições médicas. Nada de ter o dinheiro restituído para quem ficar com medo e desistir, ok?

Vinícola Gibbston Valley

Depois do bungee jumping, ainda tínhamos bastante tempo até escurecer, então fomos até a vinícola Gibbston Valley. Para chegar, basta dirigir por 2 minutos pela Gibbston Highway e a vinícola estará à sua direita. Na época em que estivemos lá, as videiras estavam sequinhas. Imagino como o lugar deve ficar ainda mais lindo em época de safra!

Você pode escolher dentre as diversas opções de tours, que podem ser em grupo ou privados. O passeio guiado mais popular é o Wine Cave Tour, que custa NZD17,50 por pessoa, incluindo degustação de três vinhos e uma visita aos vinhedos plantados em 1983 pelo fundador da empresa. Para ver todas as opções de tours, preços e horários dos passeios, consulte o site oficial.

  • Endereço: 1820 State Highway 6, Gibbston 9371, Nova Zelândia
Mesinhas em frente à queijaria da Gibbston Valley
Harmonização de queijos e cerveja no fim da tarde

Como estávamos cansados para fazer um tour guiado, estacionamos e fomos em direção à queijaria da Gibbston Valley. Ela fica ao lado da vinícola e possui diversas mesinhas com guarda-sóis em frente a uma loja cheia de produtos fresquinhos. A queijaria é aberta diariamente, das 10 às 17 horas, e você pode degustar gratuitamente vários tipos de queijo no balcão. Há também opções pagas de harmonização, que podem ser com vinho ou cerveja.

Sentamos em uma das mesas e passamos o fim de tarde degustando três tipos de queijo e de cerveja, que acompanham um pão fatiado. Os queijos e os copos eram enormes, então uma tábua foi o suficiente para nós dois. Junto do prato, eles colocam um folheto explicando os tipos de cerveja e dão sugestões variadas para a harmonização. Além desta opção, você pode pedir petiscos, bebidas e até café. Para ver todas elas e os seus preços, consulte o site oficial.

Arrowtown

Para terminar o dia, dirigimos até Arrowtown, que fica a 10 minutos de carro de Gibbston Valley. Essa cidade histórica fica junto do rio Arrow, que contém ouro! Por causa disso, Arrowtown surgiu em 1862, durante o auge da corrida do ouro na região. As construções de época estão em pé e são muito conservadas, principalmente na rua principal. Caminhar por ali é como se sentir em um filme antigo.

A graça de passear na cidade é descobrir lojinhas e outras construções antigas. Mais de sessenta ainda estão em pé! O que também chama a atenção são as árvores lindas que decoram a maioria das ruas. Próximo às margens do rio, há um povoado constuído por mineradores chineses em 1868. Nós não chegamos a fazer programação para conhecer a cidade e apenas nos deixamos levar pelas suas ruazinhas.

Ramshaw Lane: a rua mais gracinha de Arrowtown
Onde estacionar? O que fazer na cidade?

No início da rua Ramshaw Lane, há estacionamento gratuito. Deixe o carro ali e você estará bem localizado para explorar a parte mais turística da cidade. Quando chegamos, era final de tarde e quase tudo já estava fechado! Entretanto, eu li a respeito de passeios de bicicleta ou de scooter pela região que podem ser combinados com Gibbston Valley no mesmo dia. Fiquei morrendo de vontade de fazer, mas vai ficar para uma próxima vez em Arrowtown. Confira no Trip Advisor algumas opções.

Para ver todos os posts sobre a Nova Zelândia, clique aqui

Comente aqui!

Comentários